quarta-feira, 21 de agosto de 2019

O que fazer com as igrejas?

Antes de lerem este post sugiro que visitem meu outro blog Yoga e Filosofia, e leiam:

  1. Anjos & Demônios e,
  2. Deus, Cosmos e Mente Universal, para maior compreensão.
Em seu sentido epistemológico, Lúcifer, a Estrela da Manhã, é aquele que se crê superior a Deus, como ver Vênus como uma estrela em vez de um planeta. Na Bíblia, essa pessoa é Nabucodonosor II, Rei da Babilônia, que conquistou Jerusalém e destruiu o Templo de Salomão em 586 a.C. Mais recentemente tivemos o rei absolutista Luís XIV, o Rei Sol; ou seria Vênus? A Babilônia é mais conhecida pela Torre de Babel dos Ninrodes, que hoje se assemelha à Nova Ordem Mundial que quer controlar o mundo como deuses. Em termos individuais são os narcisistas e sociopatas que se colocam acima dos outros, acima dos direitos e deveres; eles são a lei, eles fazem o que quiserem. A lei dos homens não se aplicam a eles, pois são deuses (estrelas) mas em verdade demônios (planetas).

O próprio Rei Salomão veste bem o manto de Lúcifer pois além de trabalhar com goétia, que a magia de invocação de espíritos malignos ou demônios maus, criou um templo para si mesmo, o Templo de Salomão, aquele destruído por Nabucodonosor. Salomão agora, um deus a ser venerado, um planeta que brilha como Vênus. Salomão é o próprio Lúcifer bíblico, o Portador da Luz, carrega a luz do sol e a reflete brilhando como estrela. Não falamos da Lua pois sabemos que é um satélite, embora também reflita a luz solar. Aqui no Brasil foi construído um templo a Lúcifer, o Templo de Salomão da Igreja Universal do Reino de Deus.
Por Ferf10 - Obra do próprio, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=45299299
Salomão foi um rei rico e poderoso mas levou à divisão do Reino Unido de Israel devido aos impostos pesados. Depois de sua morte o Reino, em 931 a.C. se dividiu em Reino do Norte (Reino de Israel com capital em Samaria — por isso samaritanos — contanto com 10 das 12 Tribos assumidas por Jeroboão) e Reino do Sul (Reino de Judá — por isso judeus — com capital em Jerusalém, assumindo o filho de Salomão, Roboão). Pouco mais de 200 anos mais tarde, em 722 a.C., o Reino do Norte foi conquistado pela Assíria e as 10 Tribos de Israel se desintegraram. Sobreviveu a Tribo de Judá, que viria a gerar Maria que gerou Jesus, até a conquista pela Babilônia em 587 a.C.

O Rei da Pérsia Ciro II, o Grande, viria a conquistar a Babilônia em 539 a.C., 48 anos mais tarde, e libertado o povo de Judá do cativeiro, que voltaram para Jerusalém e reconstruíram o Templo. No entanto, Jerusalém volta a ser conquistada em 63 a.C. pelo recém nascido Império Romano, marcando o fim do Velho Testamento ou Torá (Judaísmo), e em 70 d.C. o Segundo Templo é destruído pelo Imperador Tito. Jesus Cristo marca o início no Novo Testamento (Cristianismo) e o povo judeu se espalha pelo mundo. Nessa história toda, os grandes vilões são o imposto e a servidão, que são formas sutis de escravização.

As igrejas não libertam o povo, mas os mantém submissos às classes dominantes, que vivem de impostos e dízimos. As igrejas mantêm as pessoas ignorantes e não conduzem à prosperidade, apenas alimentam a esperança por meio de discursos motivacionais. São empresas com fins lucrativos isentas de impostos. No entanto, não abomino as igrejas de todo. Acredito que elas podem ser úteis na medida que une pessoas, e esse é seu maior benefício unir pessoas. Mas não é o trabalho que vem sendo feito, somente o de aumentar a doação e arrecadação de dízimos, vendendo uma promessa de prosperidade. As igrejas deveria ensinar história e ética, deveriam promover a Vida Divina (Yoga e Filosofia).

sábado, 4 de maio de 2019

Por que as Nações falham?


Daron Acemoglu e James A. Robinson escreveram o livro Why Nations Fail: the Origins of Power, Prosperity, and Poverty / O porquê as Nações Falham: as Origens do Poder, da Prosperidade e da Pobreza (tradução livre). Abaixo segue um video de cada autor sobre o assunto.


O monopólio toma outra forma na América Latina: capitania no Brasil e encomienda nos demais países. Se a América do Norte é um marketplace, a América Latina é um produto, um bem, uma propriedade de seus donos e suas donas, bem como encomendadores. Não é por acaso que Brasília, capital do Brasil, foi inspirada no Egito de Akenathon (1.352 a 1.336 a.C), onde atualmente impéra a desigualdade econômica, e de onde Moisés fugiu a cerca de 3.500 anos atrás. Os nativos, os brasilianos, como foram os judeus, são apenas mão-de-obra semi-escrava dos brasileiros faraônicos. Brasileiro não é nativo mas dignatário, ou dignitário. Precisamos de uma Revolução Gloriosa, sem derramamento de sangue; uma Revolução Salutar (O Caminho, a Verdade e a Vida).


Em minha opinião houve uma inversão de valores entre Capitalismo e Socialismo, resumindo-se a Direita (Elite / Privado / Empregadores) e Esquerda (Povo / Público / Empregados) respectivamente. O que na verdade seria mais algo como Conservadores e Revolucionários. Ou seja, estamos capitalizando as pessoas e socializando as coisas. Um dos fatores de equanimidade ou justiça social é a Inovação, que significa não conservar algo velho e arcaico, mas não necessariamente revolucionar no sentido proletariado, que seria algo como virar a mesa. O que importa saber é que o Capitalismo, ao meu ver, deve ser entendido como a parte Financeira da Economia e o Socialismo como a parte Filosófica ou Lógica da Economia, que é a distribuição de recurssos escassos. Parece-me que os capitalistas querem colocar a Diretoria Financeira na Diretoria Geral, enquanto que os comunistas, mal chamados socialistas, querem colocar os Recursos Humanos na Diretoria Geral. E isso não tem a ver com o vídeo acima.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Por um Socialismo de verdade em vez de uma externalidade capitalista

Harto de falsos profetos por Ignacio Palomo Duarte (Flickr , Creative Commons)
A atual briga entre Capitalismo e Socialismo, como os conhecemos, nunca vai acabar, pois o Socialismo não deixa de ser uma externalidade, em seu sentido econômico, do próprio Capitalismo, ou seja, uma consequência não planejada ou não objetivada — como um filho de um encontro sexual casual talvez até com o uso de camisinha. A poluição é uma externalidade de algumas indústrias, por exemplo. O Capitalismo visa o lucro e as consequências sociais e ambientais são externalidades econômicas.

Não obstante, o Capitalismo defende a criação de riqueza por meio do trabalho humano, que é a capitalização ou contablização do trabalhador, isto é, o humano como Ativo (meio de produção) ou Passivo (gastos de produção) de um Balanço Patrimonial. Em outras palavras, números. O Socialismo, por meio de Sindicatos dos Trabalhadores por exemplo, busca oferecer condições humanas e sustentáveis do emprego, e mais além, busca o enriquecimento por meio de salários cada vez mais altos. Ou seja, luta para que humanos não sejam números mas sócios, pessoas com os mesmos direitos humanos que possam compatilhar as riquezas que mercem por terem produzido ou paticipado da produção.

O Capitalismo, nessa estrutura puramente financeira, não é sustentável pois visa o lucro privado tendendo à exploração humana, chegando até mesmo a diferentes graus de escravidão. A escravidão no Brasil é um agravante que marca o Capitalismo como um sistema Imperial Capitanista que logo foi golpeado ou sofreu derrame por meio da Proclamação da República em 15 de Novembro de 1889, cerca de meio século depois da Primeira Revolução Industrial que ocorreu aproximadamente entre 1760 e 1820-40. O Capitalismo é originalmente um sistema imperial britânico, desde esse momento que engendrou a burguesia e o proletariado como conhecemos hoje, e a luta de classes.

Essa capitalização que transformou trabalhadores (como os artesãos) em meros operários (condutor de máquinas alienados da criação) desumanizou a socidade, de modo que hoje se tem Pessoas Jurídicas no lugar de Nobres, Pensadores etc. São os governadores poderosos, não mais pessoas físicas. O mundo, ao meu ver e em parte, está caótico pois está sendo dirigido por legiões, que, como apontam alguns especialistas em pessoas, as Pessoas Jurídicas, em geral, possuem perfil de um psicopata, incapazes de ver as consequências de seus atos egoístas. Apenas vejam o caso da Vale que não se culpa pelo rompimento da barragem que destruiu a vida de muitos.
Então Jesus lhe perguntou: "Qual é o seu nome? " "Meu nome é Legião", respondeu ele, "porque somos muitos". — Marcos 5:9
O Capitalismo levou ao acúmulo de posses, e como apontam alguns estudos culminou nas duas Grandes Guerras Mundiais. A segunda marca o fim dos Impérios, como os Britânico, Austro-Húngaro ou Alemão, Japonês, Francês etc. e transformou os EUA numa espécie de império financeiro, que possivelmente instigou o ataque terrorista das torres gêmeas (World Trade Center) de Nova York em 11 de setembro de 2001. Lembrando que a última Grande Guerra terminou em Guerra Fria entre os EUA e a URSS, hoje apenas Rússia. O primeiro representando o Capitalismo e a segunda representando o Comunismo que logo se transformou em Stalinismo, uma forma concentrada de poder como é característica do Fascismo e do Nazismo; outra forma de império.

Por fim, importa superar o modelo socialista que apenas tem buscado desviar dinheiro, tomando o dinheiro dos ricos para dar aos pobres. Penso que o Socialismo é a Humanização do Capitalismo, ou seja, a missão Socialista é fazer o capital trabalhar para sociedade em vez de tomar posse dos direitos dos outros e impedir que a socidade trabalhe para o capital. Precisamos sim de salários mínimos dignos de viver humanamente, hoje em torno de R$ 4.000,00 e Educação e Trabalho Qualificado para recebê-lo. Um empresário pode ser socialista desde que seu objetivo seja criar valor social, entregar soluções benéficas à sociedade. Um traficante de drogas e cafetão não deixa de ser um capitalista.

O Socialismo consiste em transformar o Capitalismo em sistema ou ferramenta sustentável de manutenção da vida. Pagar salários dignos a pessoas dignas é Socialismo. Cuidar e curar os doentes é socialismo. Socialismo é dar condições à uma sociedade sustentável de Bem Estar. Socialismo é Educação. Educação é o processo de florescimento e frutificação humana. Socialismo é criar, produzir enquanto que capitalismo é consumir. Essa é a minha opinião até aqui. Fiquem livres para corrigir, especialmente dados históricos, ou refutar, demonstrando bons argumentos ou teorias.

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Igreja, o templo de Lúcifer: o Portador da Luz


Já li em algum lugar e já me disseram também, na minha busca ou pequisa espiritual,  que Lúcifer significa Portador da Luz. Nesse sentido, ao meu ver a igreja — do padre, ou pastor, ao papa — são os portadores da luz de Deus ou Jesus. Isso não é uma tentativa de difamar a Igreja, mas uma constatação para que saibam diferenciar a Igreja da Palavra de Jesus, o próprio Deus.

Além disso, se diz que a A Bíblia Sagrada é a Palavra de Deus mas sabemos que os Evangelhos foram escolhidos pelos humanos. Também se diz que Jesus é o Verbo que se fez carne, ou seja, a Palavra de Deus ou o próprio Deus em ação porque Deus é a Vida, o Caminho e a Verdade. O próprio Senhor Jesus pode ser identificado como Lúcifer no sentido de Portador da Luz mas talvez seja mais aprorpiado dizer que Jesus é a Luz mesma, como aquele que viveu a vida em verdade.

Com efeito, resumir-se a ir à missa e se limitar a participar da igreja e aos sermões dos homens é cultuar Lúcifer. Deus sendo o Caminho, a Verdade e a Vida não estará na igreja mas onde se estiver em seu Nome. O Caminho é sua Vida em Verdade vivida. O que é a Verdade? Buscai a Verdade e Ela o fará livre. O Reino de Deus está dentro e não fora. Você é o Templo e o Coração o Altar. A Igreja é sua Família.

Portanto, se seus pais não são cristãos verdadeiramente (fiéis) pouco adianta ir à igreja para encontrar Deus, pois a igreja de fora é Lúcifer. Tampouco basta se basear na bíblia pois essa não é o Verbo. A Palavra Viva é a Vida mesma, aquele que vive em Verdade. Assim, a Palavra de Deus é uma história, uma biografia, uma narrativa com muitos aspectos simbólicos ou mesmo parabólicos. Você como pai ou mãe de família será a Luz do seu filho ou filha.

Para saber mais leia meu outro Blog: Yoga e Filosofia

terça-feira, 4 de setembro de 2018

[ENTREVISTA] Grazielle C. David fala sobre Desigualdade, Austeridade e Reforma Tributária (via Portal Vermelho)






O Socialismo, em minha opinião, é o meio para uma sociedade justa, livre e solidária; próspera, rica e de bem-estar bem: é o caminho do meio, do equilíbrio. Fica entre o Capitalismo e o Comunismo.  A Guerra Fria não foi uma luta entre Capitalismo e Socialismo e sim Capitalismo (EUA) contra Comunismo (URSS). Na teoria marxista o Socialismo é apenas uma etapa antes do Comunismo, mas essa ideia é contraditória, pois o Socialismo precisa do Capitalismo, assim como o Capitalismo necessita do Socialismo. O Socialismo, ao meu ver, nada mais é do que a distribuição de riquezas gerada pelo Capitalismo, e não pelo trabalho do outro.

Pirâmides do Egito
Pirâmide invertida do Carrousel du Louvre, França

No Capitalismo temos a concentração de riqueza (o Capital), no Comunismo a concentração de poder (o Estado). Capitalismo e Comunismo fazem parte de uma mesma pirâmide egípcia que luta pelo pico ou cume que representa o Poder. Juntos formam a Oligarquia (Estatal) e o Monopólio (Capital), uma espécie de Monarquia Absolutista. O problema do Comunismo é que sua proposta visa apenas inverter a pirâmide de cabeça para baixo, o que é impossível exceto se estiver enterrada. Essa pirâmide é válida como estrutura hierárquica e não como estrutura social. Quem está no topo da pirâmide hierárquica não é necessariamente o mais rico ou o mais poderoso, e sim o mais Responsável. Entendo que o Socialismo deve distribuir a riqueza do topo para a base como as montanhas formam rios que desembocam nos oceanos.